Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo correio 50

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Arte em versos Concurso de Poesias FLESB 2012 - Primeiro lugar
Concurso de Poesias FLESB 2012 - Primeiro lugar PDF Imprimir E-mail
Escrito por Bia Braz   

Primeiro Lugar

O que não foi dito

Autora: Bia Braz


Jantava sem pressa, devagar.

Lá fora, a noite passava como uma mandrágora,

Enquanto eu observava os sinais do tempo,

Reformulando expectativas casuais, a bom uso.


Todo luto é reformulado mil vezes.

Sentenciado, administrado, luto.

Redimo-me ao desuso do preto eventual,

Ainda quando as marquises parasitárias

Liberavam sua putrefação ... “Em alto som”.


Não gosto de ficar pensando nos ritos indignos

da putrefação, da saudade, mas no momento a sinto.

Finco bandeira ao lado da cama, o outro.

Como se esse abrigasse o momento, que, de fato,

levassem a mim uma exaustão permanente.


Instintivamente, ausente, ainda falo seu nome.

Com a cordialidade de sempre, seu nome.

Uso-o... Ainda... Quando alimento os peixes solitários... Como eu.


Ando pensativo, enquanto o caldo me consome.

Descendo, aos poucos,quase toda a noite.

Parecendo um remédio, espório do desvario.

Ando com sintomas febris de uma quaresma latente.

Sinto a dor como crucificado e ambulante,

Olhando para todos os lados, pedindo socorro.


A solidão é páreo da morte, anestesiando.

Sinto uma fraqueza torpe sedimentada,

Tentando resistir.


Prefiro encarar o vazio, martírio das horas,

Pensando no talvez, como expiação dos dias.

Deixo a sina do sol esvaziar-me pela liquidez,

Sentindo suor, escorrendo vida.


Ainda arrisco lhe chamar de quando em vez.

Permitindo, assim, entrar pela eternidade,

Como se minha boca fosse ponte,

Para meus pedidos ínfimos, porém latentes.


Mas vejo que o acaso é sentido, por flores,

Chamas abertas

De um altar solitário,

Enquanto somo as palavras... Chamando teu nome.


Estou preso à marginalidade na qual me exponho,

E do que não foi dito.

Sentenciando outro sono, ainda não conseguindo dormir.

Recolhendo minh’alma que  emana cinzas dos por quês,

Diante do pesadelo no qual me coloco... Esperando você.

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

mesopotamia-capa
 

 Romance mediúnico clássico, em que o próprio rei assírio conta sobre seus enganos e arrependimentos três mil anos depois de ter levantado o maior império da Civilização Antiga.

 

 Autora: Dolores Bacelar

(Epírito Josepho)

 

ISBN: 978-85-98563-95-4
14 X 21 cm - 728 páginas 

 

R$ 39,90


Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook