Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo-50anos

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Especial Tempo para reflexão e interação nos 70 anos de USE
Tempo para reflexão e interação nos 70 anos de USE PDF Imprimir E-mail

rodaPor Eliana Haddad e Izabel Vitusso

Não é novidade para o movimento espírita a realização de congressos, que contam com palestrantes renomados. Com programação diferenciada, porém, o Congresso Estadual de Espiritismo, realizado pela União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, em Atibaia, SP, de 23 a 25 de junho, parece ter inaugurado uma nova fase para os eventos espíritas, ao valorizar a conversa, a interação para troca de ideias.
O evento, que comemorou os 70 anos de fundação da USE com lançamento de livro sobre a história da entidade e selo comemorativo dos Correios, reuniu cerca de mil pessoas, vindas de 13 estados brasileiros e 132 cidades e contou com quatro conferencistas: Divaldo Franco, André Luiz Peixinho, Haroldo Dutra e Alberto Almeida, que enalteceram a necessidade dos espíritas se conscientizarem da grande tarefa do espiritismo na transformação moral dos indivíduos, um convite à mudança de paradigma materialista para uma humanidade tão necessitada da consolação e esclarecimento que a doutrina espírita traz ao anunciar a era do Espírito.
julia-diretoresO público, entretanto, não ficou restrito ao salão de palestras. Numa proposta bastante dinâmica, boa parte do tempo do congresso foi dedicada a reunir em diversas salas grupos para oficinas e rodas de conversa, onde foi possível debater assuntos, ouvir relatos de experiências e pensar em novas propostas para o trabalho nas casas espíritas.
Ao falar sobre os desafios a serem enfrentados pelo movimento espírita, a presidente da USE, Julia Nezu, lembrou o papel da entidade no apoio às organizações espíritas, com subsídios em forma de cursos, debates e material de suporte para que a unidade do espiritismo seja preservada em termos doutrinários. E destacou o pensamento de Bezerra de Menezes sobre o trabalho da unificação: "Nenhuma hostilidade recíproca, nenhum desapreço; acontece porém que há necessidade de se preservar os fundamentos espíritas, honrá-los e sublimá-los, senão acabaremos estranhos uns aos outros."
Ponto alto do evento, seis rodas de conversa abordaram assuntos preponderantes para o movimento espírita. Como foi enfatizado pelos organizadores, o congresso não terminava ali e deveria continuar nas casas espíritas, como um convite à reflexão e discussão sobre os vários itens apontados. Veja as principais conclusões apresentadas:

 

Qualidade doutrinária da literatura espírita
Por Marco Milani

É preciso ponderar o que pode ser aceito como novo conhecimento, separando-se os livros em espíritas e "pseudoespíritas". Para que algo possa ser considerado como uma nova informação para a doutrina é preciso haver evidências objetivas que comprovem a novidade. Passar pelo crivo da razão, por toda a comunidade espírita e científica.
Também o perigo da idolatria foi abordado, em função da fixação que algumas pessoas têm com relação a médiuns. Não é porque o médium é famoso, que todas as suas obras devam ser aceitas sem análise.
A seleção das obras para a livraria na casa espírita deve prezar a coerência doutrinária, sendo de reponsabilidade do dirigente. A biblioteca pode ter outro caráter e conter inclusive obras que tenham contradições, mas devidamente classificadas como tal.

 

Práticas estranhas ao centro espírita
Por Antonio Cesar Perri de Carvalho

O movimento espírita tem dificuldade de lidar com a crítica. Porem, feita de maneira equilibrada, não pode ser considerada como algo destrutivo. É preciso atentar para práticas estranhas, não somente com relação à mediunidade, mas também em questões doutrinárias, gestão administrativa e as inter-relações dos espíritas, entre dirigentes, colaboradores e frequentadores.
Sobre o passe, concluiu-se que por ser uma doação de sentimento, muito simples, não há necessidade de movimentos e encenações. É preciso atenção sobre os limites das atividades de cura para não se correr o risco da caracterização de curandeirismo e prática ilegal da medicina.
Outro ponto analisado foi o crescimento de instituições que acabam por requerer um autêntico comércio para sua manutenção. Herculano Pires foi lembrado, através de seus comentários no livro O evangelho em espírito e verdade sobre Paulo de Tarso, que libertava a religião da política e do negócio, para ser vivida em si mesma, com toda a independência moral.
A apometria foi claramente considerada como prática não espírita. Há também centros espíritas utilizando-se de cursos e técnicas de magnetismo, sendo preciso haver a identificação sobre diferenças entre prática espírita e práticas alternativas de terapias complementares, que estão fora da alçada do centro espírita.

 

Teorias científicas e espiritismo
Por Alexandre Fontes da Fonseca

Refletiu-se sobre a impropriedade de se utilizar teorias científicas modernas para explicações de conceitos espíritas. O espiritismo tem valor por si só e possui todos os ingredientes filosóficos para ser uma ciência legítima, sem deixar a desejar a nenhuma física, química, biologia, medicina, etc. Perante a tentação de aceitar essas novidades, somos seduzidos pelo linguajar técnico, sofisticado, com ar de moderno, e deixamos de lado a própria doutrina, esquecendo-nos de que ela tem valores intrínsecos. Qual engenheiro, ao fazer o projeto de um viaduto vai deixar de usar os conhecimentos da engenharia para fazer seu projeto? Por que nós, espíritas, não usamos os nossos termos e conceitos para explicar os fenômenos com os quais lidamos na nossa casa espírita?
Vários questionamentos surgiram sobre como fazer pesquisa segura dentro da doutrina, utilizando-se desses parâmetros. Essa é uma questão difícil, porque precisamos estudar mais o espiritismo para termos uma visão completa de conjunto. A Liga de Pesquisadores Espíritas (www.lihpe.net) tem dado contribuições ao conhecimento espírita de um modo cuidadoso e com respaldo na doutrina, assim como alguns periódicos, como o JEE – Jornal de Estudos Espíritas.

 

Sexualidade e afetividade sob a ótica espírita
Por Luiz Fernando Penteado

O espiritismo nos permite um aprofundamento frente aos novos reclamos da sociedade, mostrando a atualidade da sua filosofia. A casa espírita tem um papel preponderante, como espaço acolhedor, fonte de informação e desenvolvimento. Deve se preparar para que, além do conteúdo doutrinário, tenha condições de dar suporte às demandas sociais da atualidade.
A sexualidade é uma fonte transformadora, procriadora, que vai muito além do contexto biológico reforçado por toda a sociedade e pela mídia. Inclui comunhão, aprendizado. Homossexualidade é um assunto que todos devemos entender, até para vencer preconceitos.
Que o trabalho junto à criança e ao adolescente não se limite a dar a orientação sobre a sexualidade, mas a orientação moral, de valores e que aborde o amor como fonte geradora. Uma orientação que permita ao indivíduo entender a sexualidade de forma construtiva, no processo evolutivo, buscando-se a compreensão do amor e do autoconhecimento.

 

Política e espiritismo
Por Allan Kardec Pitta Veloso

O assunto política deve ser tratado na casa espírita sem partidarismo, paixão ou dogma. Allan Kardec considera a criatura humana em concepção diferente de outros autores da ciência política, como Thomas Hobbes, Jacques Rousseau, Karl Marx. O homem para o espiritismo é um ser preexistente e que vive depois da morte, fundamento que faz toda diferença na abordagem do tema.
A política deve buscar mudanças para melhor. Não há mundo melhor sem o homem melhor. O espiritismo tem contribuições brilhantes para a questão, para que se possa atuar na sociedade, inclusive na seara da política. O homem é o agente de transformação. Vários trechos de Kardec, em Obras póstumas, assinalam que essas mudanças se darão naturalmente quando homens de bem passarem a ser maioria nesse planeta.

 

O desafio de educar além de instruir
Por André Luiz Peixinho

Considerando-se os vários aspectos da educação, refletiu-se sobre como se dá a aprendizagem, utilizando-se de alguns informes da neurociência, mostrando a diferença entre o que é observado e o que é a verdadeira transformação, fazendo-se conexão com as aprendizagens que são mais significativas e que fazem parte da noção de espírito.
Sobre a importância do estudo espírita, é necessário que haja uma unidade do pensamento espírita. Sem querer transformar isso numa uniformização de práticas pedagógicas. E isso se daria pelo projeto educacional dos cursos regulares para que as pessoas, formando consensos, construam as estruturas possíveis na sociedade em geral. É preciso analisar se não estamos copiando os métodos laicos, de origem do paradigma materialista, para o contexto espírita.
A educação deve passar pelo que é essencial: o espírito.
A educação, de modo geral, insere o indivíduo na sociedade tornando um cidadão. É necessário refletir e construir o nosso próprio projeto pedagógico com um finalismo mais amplo, na revisão dos conceitos de níveis evolutivos.
Como o centro espírita poderia atuar na formação dos grupos de autoconhecimento como forma de crescimento pessoal, destacando-se os espaços de convivência, sendo fundamental a aprendizagem em grupo.

 

oficinaOficina de Comunicação

O Correio Fraterno também participou do congresso, coordenando a oficina "Como potencializar a divulgação espírita pelo uso de canais de mídia".

Veja algumas dicas para a comunicação na sua casa espírita.

 

Publicado no jornal Correio Fraterno - Edição 476  julho/agosto 2017

 

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

perfume de helena

  Num romance que combina a  descrição de seus sentimentos mais profundos com a fria incerteza do amanhã, Juliana conta a sua própria história. Sonhando com a maternidade, ela vê seus ideais serem ameaçados logo no primeiro exame pré-natal. Uma linda história de amor e superação.

 

 Autora: Juliana Ferenzin Heck

 

ISBN: 978-85-98563-96-1
14x21 cm
   160 páginas

 

R$ 29,90


 

Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook