Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo correio 50

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Medo da morte PDF Imprimir E-mail

medo-morte Umberto Fabbri

O medo e todos os seus derivados estão de certa forma ligados aos nossos sistemas de defesa. Nosso instinto de preservação nos alerta sobre as possíveis situações que oferecem risco à nossa integridade. E isto até certo ponto é saudável, mas quando o medo passa do estado de alerta para os níveis mais altos, como a fobia, por exemplo, este pode se tornar patológico e altamente prejudicial, pois passamos a perder a condição da racionalidade e da realidade que nos cerca.
Um dos grandes medos da humanidade é o temor da morte. Sim, a grande maioria dos seres humanos receia a morte. Mesmo entre nós, espíritas, que cremos no processo da reencarnação, apesar de sabermos como funciona na teoria, não desejamos vivenciar a parte prática. Não por que não acreditemos na sobrevivência da alma, mas sim, por desagrado em abandonar situações que de certa forma dominamos, aqueles a quem amamos e estruturas que levamos anos para montar e conquistar.
Nossa vida segue determinado curso, ao qual estamos acostumados, temos receio do novo, sofremos pelo apego, nos habituamos com o que temos, e muitas vezes até com o que não nos agrada ou faz bem, pois já aprendemos a conviver com estas circunstâncias.
Vivemos em uma agradável zona de conforto...
Todavia, existe um fato que não podemos empurrar para debaixo do tapete: a evolução! Sim, a evolução que tanto almejamos se fará principalmente frente às novas experiências. Novos cenários, amores, aprendizados, vivências e para que tudo isto se efetive precisamos mudar; inclusive de corpo, de dimensão, cultura, religião, sexo, sociedade, etc.
Aceitar a realidade das transformações e trabalhar nossos receios nos trará maior capacidade de enfrentamento, de adaptação às situações que não estão sob nosso controle, mas de Deus e das inteligências espirituais que trabalham para nos ofertar novas possibilidades de crescimento, individual e coletivo.
Quando possuímos um grande medo e deixamos que nos domine, já estamos vivendo dentro dele, damos espaço e ele acaba fazendo parte de nosso dia a dia.
Segundo o Evangelho, o medicamento para todos os males é a fé, e sabiamente Allan Kardec nos diz que ela precisa ser raciocinada. Precisamos entender e trazer à luz da razão e de nosso entendimento, mesmo que ainda relativo, a compreensão de quem somos, do que fazemos aqui e para onde vamos. Faz-se necessário ainda nos lembrarmos do imensurável amor de Deus por todos nós e de que estaremos sempre amparados e dirigidos por suas leis imutáveis e justas.
As mudanças, sejam elas em pequenos ou grandes acontecimentos, sempre acontecerão. Nasceremos e morreremos inúmeras vezes visando sempre nosso aprimoramento.
Talvez o grande temor venha de nossas experiências passadas, das lembranças inconscientes dos últimos desencarnes, ou ainda, do peso de nossas consciências por não termos nos esforçado o bastante para atingirmos nossos objetivos reencarnatórios, por termos falhado. Quando estudamos o livro O céu e o inferno, são estes os relatos mais comuns que encontramos dos irmãos que se encontram em sofrimento. E isto deve ser usado por nós, não para intensificar ainda mais nossa insegurança e receios, mas como um alerta para que vivamos de forma a contribuir efetivamente com nossa viagem de volta para nossa casa: a espiritualidade.
Lembrando Jesus, é essencial a construção do reino de Deus em nosso íntimo, pois, assim, não importarão as circunstâncias exteriores; nos sentiremos seguros e fortalecidos pelo amor que conquistarmos e distribuirmos. Seja onde ou como for, estaremos em casa e a salvo de todos os males, pois estes não estarão mais em nós.

Profissional de marketing, Umberto é orador e escritor brasileiro e mora atualmente na Flórida, EUA. Autor dos livros O traficante, Amor e traição, e lança agora Pecado e castigo, pelo espírito Jair dos Santos (Correio Fraterno).

 

Publicado no jornal Correio Fraterno - Edição 471 outubro/novembro 2016

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

mesopotamia-capa
 

 Romance mediúnico clássico, em que o próprio rei assírio conta sobre seus enganos e arrependimentos três mil anos depois de ter levantado o maior império da Civilização Antiga.

 

 Autora: Dolores Bacelar

(Epírito Josepho)

 

ISBN: 978-85-98563-95-4
14 X 21 cm - 728 páginas 

 

R$ 39,90


Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook