Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo-50anos

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Arte e Espiritismo Mozart: a melodia da inspiração
Mozart: a melodia da inspiração PDF Imprimir E-mail

A presença espiritual em suas criações

 

 

Mariana Sartor

 

Longe de seu público, o enterro do músico austríaco Wolfgang Amadeus Mozart nada teve do "glamour" que suas composições alcançam pelo mundo todo. Assistido apenas por seu cachorro vira-lata, o compositor e instrumentista partia para Júpiter, um plano mais melodioso, segundo ele mesmo afirma em questões respondidas, publicadas na Revista Espírita1, após sua morte, aos 35 anos.

Por coincidência, para os que gostam do acaso, ou não, uma das composições mais famosas de Mozart, a Sinfonia n.º 40, é também conhecida como Júpiter e considerada auge da música do século XVIII.

O garoto que aos 4 anos de idade tocava, de cor, composições ao cravo, e aos 5 já compunha um minueto, tinha seu talento disputado pelos nobres europeus da época. A criança prodígio – prova da evolução da alma nos processos de reencarnação – uma vez que a inteligência é patrimônio do espírito – encantava especialmente por sua capacidade de improvisação, criando, inspirado por sua fantasia.

Tal inspiração, sabe-se, é a sensibilidade que lhe possibilitava o intercâmbio mais intenso entre os Dois Mundos – material e espiritual, lei natural da sintonia mental.

Em resposta a Kardec a respeito deste intercâmbio, os Espíritos da Verdade explicam que freqüentemente, as idéias "são sugeridas por outros Espíritos que os julgam capazes de as compreender e dignos de as transmitir. Quando eles não as encontram em si apelam à inspiração; é uma evocação que fazem sem suspeitarem."2

Na obra Vida de Mozart3, existe a transcrição de uma carta do músico austríaco, filho de artesãos, na qual ele próprio esclarece a questão de sua inspiração.
"Dizes que desejarias saber qual o meu modo de compor e que método sigo. Não te posso verdadeiramente dizer a esse respeito senão o que se segue, porque eu mesmo nada sei e não me posso explicar.
Quando estou em boas disposições e inteiramente só, durante o meu passeio, os pensamentos musicais me vêm com abundância. Ignoro donde procedem esses pensamentos e como me chegam; nisso não tem a minha vontade a menor intervenção."
Tanto talento e sintonia mental se converteram em uma vasta e variada produção artística, composta por 49 sinfonias, 23 óperas, 20 missas, 45 sonatas para piano e violino, 27 concertos para piano, 29 quartetos de cordas, 17 sonatas para piano, 66 árias e outras produções musicais.

Do "além-Terra", ainda possibilitou comunicação respondendo à entrevista, evocado por Allan Kardec na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e, também, ditando um fragmento de sonata ao médium Bryon Dorgeval.

O intelectual, que nos presenteou com sublimidades melódicas, nasceu em 27 de janeiro de 1756, e há 217 anos, segundo ele mesmo informa nas respostas recebidas por um médium e enviadas a Kardec, partiu para o planeta "onde há melodia em toda parte: no murmúrio das águas, no ciciar das folhas, no canto do vento: as flores rumorejam e cantam; tudo produz sons melodiosos." "Aqui em Júpiter não temos instrumentos. São as plantas e os pássaros os coristas. Os pensamentos compõem e os ouvidos gozam sem audição material."

1- Allan Kardec, edição de maio de 1858.

2- Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, IDE, questão 462.

3- Holmes (completar)

 

Por que a música nos sensibiliza

Quem nunca ouviu dizer que "quem canta seus males espanta"? E quem nunca sentiu o coração acelerar com uma música especial?

O ritmo, a intensidade, o intervalo entre notas nos sincroniza com determinados instrumentos e músicas, influenciando batidas cardíacas e emoções.

A música é uma onda que vibra em determinada freqüência e faz vibrar não só o ar, mas tudo ao seu alcance. Tudo e todos possuem uma freqüência de vibração de acordo com densidade, composição, volume, forma e está em constante vibração, podendo entrar em ressonância com outros seres e objetos.

Antiga ferramenta transcendental, a música está muito ligada, ao longo da história, às religiões e às manifestações de busca pelo divino. Os egípcios, por exemplo, dominava o uso da ressonância como forma de acelerar moléculas e atingir outros níveis de consciência. Assim como a música, a espiritualidade também pode agir por vibrações

 

Texto publicado na edição 420 (mar/abr de 2008)

Assine o jornal Correio Fraterno e fique por dentro de muito mais!

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

ex lio

J.W.Rochester revela com sua reconhecida veia literária os bastidores das paixões que rondam a vida de ciganos e saltimbancos no início da Era Moderna. Tudo gira em torno do Grand Circo Monteverdi, onde Rosalva viverá inesquecíveis desafios.

 

 

 

 Autora: Arandi Gomes Teixeira

Espírito J.W. Rochester

 

ISBN: 978-85-98563-97-8
16x23 cm
  496 páginas

 

R$ 39,90


 

Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook