Área restrita para assinante do CLUBE CORREIO FRATERNO.



  • Narrow screen resolution
  • Wide screen resolution
  • Auto width resolution
Assinante do CLUBE

Assinaturas

assine_correio

Enquete

Você assina algum jornal ou revista espíritas?
 

Saiu no Correio


selo-50anos

 

Espaço do Leitor


Saiba
aqui como publicar seus textos no Correio Fraterno

 

Livro de Visitas

 

livro-de-visitas

Passatempo

Confira as respostas do  passatempo do jornal

Newsletter

Cadastre-se e receba as principais notícias

Campanha SORRIA

sorria_e_compartilhe_alegria

Home Nossas Seções Direto ao ponto Por que terceirizamos nossas responsabilidades?
Por que terceirizamos nossas responsabilidades? PDF Imprimir E-mail
terceirizacao-umberto

Por Umberto Fabbri*

Quantas lutas entre o bem e o mal! Um defendendo a felicidade do homem e outro tentando desviá-lo de sua senda de viver como filho de Deus.
Com o entendimento primário em relação aos aspectos antagônicos do bem e do mal, a impressão que o homem mantinha como verdadeira era de que ambos os sentimentos encontravam-se fora de sua realidade íntima. Tanto é que criamos figuras tenebrosas para representar o mal. Algumas meio homem e meio animal, que na tentativa de nos seduzir faziam-nos de joguetes quando caíamos em suas fantasiosas garras.

Pela lei divina, porém, por ser dotado de potencialidades para o bem, o homem, de forma intuitiva, não podia admitir que tivesse dentro de si algo que pudesse ser contrário àquilo que é da sua própria natureza. Afinal, como criaturas, somos filhos de Deus, herdando na relatividade os atributos do Criador. Logo, seria inadmissível termos atitudes contrárias à nossa essência, pois se o ser em-si é bom, não poderia equivocar-se e praticar o mal. Foi por conta dessa postura, talvez, que resolvemos terceirizar as nossas responsabilidades.
O demônio, ou Lúcifer, Satanás e tantas outras definições ainda são utilizadas por uma boa parcela da humanidade para justificar o mal, sendo o 'terceiro' responsável, que busca incansavelmente tirar as criaturas do bom caminho, para se realizar com a infelicidade delas.
Chegou-se mesmo a admitir-se que o Criador disputava poder com o demônio, criatura aliás que só poderia ter sido criada por Ele como alguém infeliz desgarrado de seu rebanho, um verdadeiro anjo decaído. Ora, Deus sendo único e perfeito lutaria contra o demônio, que passou a ter status de divindade e poder semelhante ou igual a Ele.
Quando mais experientes e conscientes em relação aos enganos dessa natureza, entendemos que essas figuras folclóricas serviram para uma época, ou ainda servem para parte da população do planeta em função de sua insistência em terceirizar o mal, hábito de muitos, traduzido em desculpismos infantis. São famosas as justificativas, tais como: sou assim por culpa do meio em que vivo; costumo agir dessa forma porque todo mundo age assim; cansei de ser bom; vivo dessa maneira por responsabilidade dos outros...
É a velha fuga, porta fácil da irresponsabilidade que aos poucos foi criando insensatos, os cegos que não querem ver, conforme o alerta de Jesus.
Na realidade, é a ignorância ao direito do outro que produz o mal dentro de nós mesmos e se espalha no coletivo. O egoísmo é a mola propulsora que faz e mantém aberta as nossas feridas, às quais por nossos interesses mesquinhos acabamos por não permitir a devida e natural cicatrização.
Emmanuel, na psicografia de Francisco Cândido Xavier, ensina com sabedoria a respeito do bem e do mal, simplificando para o nosso entendimento e desmontando as estruturas viciosas da transferência para o outro. Diz ele: "o bem é quando é bom para mim e para os outros e o mal, quando é bom só para mim."
Fica assim evidenciado que o cultivo do egoísmo, em detrimento do direito e felicidade de nossos semelhantes, mesmo que trazendo ilusoriamente nossa felicidade, é a representação do mal.
Por isso, a enfermidade nos acompanha há tanto tempo. Somos enfermos de nós mesmos, porque nos viciamos em nós e não transpusemos as barreiras para o relacionamento fraterno com o outro. Vivendo com justificativas para o comportamento ególatra, permitimos que as diferenças se acentuassem, em torno da etnia, credo, cor, posição social, entre outras.
É preciso que trabalhemos nossos pontos de vista em relação não somente ao outro, mas principalmente a nosso respeito, dentro da lição clara de Jesus de que deveríamos fazer a ele aquilo que gostaríamos dele receber.
Dessa forma, as mudanças para melhor que aguardamos em nossa presente morada deixam de ser responsabilidades alheias e passam a ser assumidas por nós, na exata conscientização de nossos compromissos conosco e com o semelhante.

*Profissional de marketing, Umberto é orador e escritor brasileiro, morando atualmente na Flórida, EUA.

Publicado no jornal Correio Fraterno, edição 456 -março/abril 2014

 

 

Conheça os livros da editora

correio fraterno 

 

carrinho

LANÇAMENTO

perfume de helena

  Num romance que combina a  descrição de seus sentimentos mais profundos com a fria incerteza do amanhã, Juliana conta a sua própria história. Sonhando com a maternidade, ela vê seus ideais serem ameaçados logo no primeiro exame pré-natal. Uma linda história de amor e superação.

 

 Autora: Juliana Ferenzin Heck

 

ISBN: 978-85-98563-96-1
14x21 cm
   160 páginas

 

R$ 29,90


 

Correio nas redes sociais


issuu-logocute-twitter-logo

logo-youtube

facebook